Situado na antecâmara do Mediterrânico, o Algarve conjuga de forma perfeita as influências culturais e climatéricas do Atlântico com as deste Mar, berço da civilização. Estreitamente relacionados, a Terra e o Mar teceram relações milenares de cumplicidade, geradoras de fantásticas aventuras e de produtos com forte personalidade. É por este território que vos vamos levar a conhecer a “alma” da Dieta Mediterrânica e os seus melhores locais, protagonistas, produtos e traços culturais. Sendo o azeite um dos principais elementos identitários da Dieta Mediterrânica, não podíamos deixar de iniciar este percurso debaixo de uma Oliveira tão velha como Cristo, que poderá encontrar, saindo da N125 ao Km 130,5, no aldeamento turístico de Pedras d’El Rei - Rua Jorge Amado 46B, 8800-562. Olhe para Oeste deste local e idealize a Cidade de Balsa, uma das principais cidades romanas da Ibéria (Séc. II AC – V DC) - de provável origem fenícia - mas da qual não restam mais do que memórias e vestígios guardados pela terra.

Siga na direção das ilhas barreira da Ria Formosa, uma das 7 maravilhas naturais de Portugal, até chegar à Praia do Barril, onde poderá visitar o impressionante Cemitério de Âncoras da antiga Armação de Pesca de Atum “Três Irmãos”. A próxima paragem é em Stª Luzia, bonita comunidade piscatória que elegeu o Polvo como principal elemento da faina. Não pode deixar de desfrutar das dezenas de diferentes interpretações gastronómicas sobre este nobre octópode na Casa do Polvo – Tasquinha (Av. Engº Duarte Pacheco, nº 8), antes de partir em direção a Tavira.

Conhecida pela sua arquitetura cuidada - onde dominam os “telhados de tesoura” e um impressionante número de igrejas, Tavira é uma cidade aberta ao mundo, sendo do comércio que resulta a sua origem e riqueza, expressa de forma monumental por toda a urbe. Fenícios, muçulmanos e romanos marcaram a evolução desta comunidade e deixaram marcas visíveis que deve conhecer: Muralha Fenícia ( (Rua D. Paio Peres Correia); Núcleos Museológicos Almóada (Convento da Graça) e Islâmico (Palácio da Galeria) onde não deixe de admirar o célebre e misterioso “ Vaso de Tavira”. Mas a Dieta Mediterrânica é uma realidade dinâmica, atual, feita de produtos locais de excelente qualidade e de locais onde os pode desfrutar. Não deixe de passar pelas bancas do novo Mercado Municipal de Tavira, pela Loja da Dieta Mediterrânica - no antigo Mercado da Ribeira, junto ao rio - e pela Associação de Artesãos ASTA, perto do Palácio da Galeria. Descendo a calçada, repouse o olhar ao entardecer na belíssima Ponte Romana onde o mito diz que amantes selaram um pacto de amor impossível que deu dois improváveis nomes ao mesmo rio: ela, Asseca, para montante, ele, Gilão, para jusante. A oferta gastronómica em Tavira é vasta e de excelente qualidade, aos mais variados níveis, do familiar e típico ao sofisticado e requintado. São de destacar, no Mercado da Ribeira, o Restaurante Gilão, com uma diversificada ementa de DM. Cruzando o rio, no lado nascente, não deixe de provar os pratos tradicionais no Restaurante Ponto de Encontro, na Rua Duarte Padinha, 39. Saindo de Tavira para Oriente, o Arraial Ferreira Neto na foz do Gilão, é um elemento fundamental na compreensão da história da pesca do atum. Desfrute do espaço reconvertido em unidade hoteleira e visite o espaço museológico devotado às artes da pesca. Deambule pelas salinas nas imediações e admire as cores e a sabedoria da sua exploração. Nas suas margens cresce uma planta que está a revolucionar a gastronomia, a Salicórnia Europeia, cujo alto teor em sais a transforma num ingrediente admirável para os pratos mediterrânicos. A etapa final desta viagem de descoberta pelos saberes ligados ao mar e ao mediterrâneo leva-nos a Cabanas, cujas deslumbrantes praias, inseridas no coração da Ria Formosa, não são o único atrativo. No Mercado Municipal (Av., Ria Formosa, 38, contacte de perto com os frutos da terra e do mar, produzidos e colhidos localmente e não deixe de ir em “romaria” a uma “catedral” dos prazeres gastronómicos da Dieta Mediterrânica, o Restaurante Noélia e Gerónimo (Av. Ria Formosa 2, tel.281 370 649) e participar numa celebração dos sabores e aromas genuínos do Mediterrâneo. Esta foi apenas uma entre muitas propostas de descoberta do melhor que a Dieta Mediterrânica tem para oferecer ao viajante sedento por uma história de relações de proximidade e sabedoria entre pessoas, produtos e locais, feita ao longo de muitos milhares de anos.

Situado na antecâmara do Mediterrânico, o Algarve conjuga de forma perfeita as influências culturais e climatéricas do Atlântico com as deste Mar, berço da civilização. Estreitamente relacionados, a Terra e o Mar teceram relações milenares de cumplicidade, geradoras de fantásticas aventuras e pessoas e produtos com personalidades fortes. Desde o IV milénio a.C. que a Serra de Mú - nome arcaico da Serra do Caldeirão – é palco de manifestações de elevado simbolismo e transcendência para as comunidades que erigiram as Antas das Masmorra perto de Alcarias de Pedro Guerreiro e as Antas das Pedras Altas, perto de Mealha, na Freguesia de Cachopo, encruzilhada de rotas antigas e atualmente das estradas N124 e N397. É por estes caminhos que vos vamos levar a conhecer a “alma” da Dieta Mediterrânica e os seus melhores locais, protagonistas, produtos e traços culturais. Cachopo, típica aldeia “Serrenha” convida-nos à deambulação pelo casario feito de xisto e a visitar o seu rico património cultural rural: Moinho Branco, Museu das Flores , Núcleo Museológico de Cachopo, bem como a loja de artesanato “O Moinho. Aproveite para vaguear por bonitas aldeias ou “Montes”, nas imediações, como Mealha, Casas Baixas e Feiteira, onde pode provar a característica Aguardente de Medronho, produzida pela “Aquardente” (Tel. 932277650). Não deixe de meter conversa com os “velhos” que for encontrando, pois irá surpreender-se pela simpatia das comunidades serrenhas, fiéis guardiãs da hospitalidade, valor cultural fundamental do Mediterrâneo. Descendo de Cachopo em direção ao Litoral, retempere as forças na Casa de Pasto “O Paraíso da Serra”, no Monte da Ribeira, onde pode encomendar deliciosas iguarias da “gastronomia serrenha” (Tel. 289844969) e explorar a pé os meandros da misteriosa ribeira de Odeleite. Continuando para sul, saia da N397 em direção a Alcaria do Cume, onde pode apreciar a magnífica paisagem, no miradouro desta localidade e ao longo de toda a estrada que atravessa o Barrocal calcário, a caminho de Santa Catarina da Fonte do Bispo. Aqui, não deixe de visitar o Lagar e Núcleo do Azeite da Cooperativa de Santa Catarina, nem o Mercado Municipal, ao sábado de manhã. Se as visitas lhe aguçarem o apetite, siga para nascente na N270 e vire para Morenos, seguindo até Umbria, onde encontra o Restaurante Monte Velho, fiel depositário da mais genuína gastronomia do Barrocal (só por marcação tel: 281 971 061). Se viajar em família sugerimos uma visita ao Parque Temático Rural A Quinta, entre Santa Catarina e Santo Estevão, perto de Poço do Vale, (tel +351 281 324 245).

Seguindo em direção a sul e à N 125, encontra Luz de Tavira, cuja visita calma recomendamos, e em particular, o Mercado Municipal, ao sábado. Continuando por esta via longitudinal do Algarve, passe por Tavira e, depois da Conceição, em Nora, vire para norte até Santa Rita. Pouco depois do viaduto sobre a A22, encontrará a entrada para o Parque de Lazer do Perímetro Florestal da Conceição de Tavira, onde toda a sua família poderá terminar esta viagem memorável e desfrutar de momentos de contemplação da fauna e flora da floresta mediterrânica.

As Igrejas de Tavira, expressão da devoção das comunidades rurais e do poder social de uma classe urbana de negociantes abastados, merecem uma visita especial, iniciada na Igreja Matriz de Santo Estevão, em Cachopo. Descendo ao Barrocal calcário, na Igreja Manuelina de Santa Catarina da Fonte do Bispo, destacamos a tela “o Juízo Final” de artista anónimo. Seguimos para a Igreja Matriz da Freguesia de Santo Estevão, onde o mestre José da Costa criou perspetivas que ainda nos cativam o olhar. A Igreja-salão da Luz de Tavira, concluída em 1570, é a próxima etapa de uma viagem que continua no centro da cidade, onde não deve deixar de passar na Ermida de S. Sebastião, em frente a uma antiga prisão sabiamente reconvertida na Biblioteca Álvaro de Campos e da lindíssima Igreja das Ondas ou do Compromisso Marítimo, na Travessa de D. Brites. Em frente ao edifício da Câmara Municipal, suba pela rua da galeria, onde deverá visitar a bela Igreja da Misericórdia, de traça renascentista. Seguindo em direção ao Castelo, sob uma mesquita do período islâmico, encontrará a Igreja de Santa Maria do Castelo, onde repousa o Conquistador de Tavira, D. Paio. Este roteiro por algumas da mais bonitas igrejas de Tavira termina no outro lado do rio, na Ermida de Santa Ana, no largo homónimo, onde poderá desfrutar de uma magnífica perspetiva sobre a cidade.