Rate this item
(0 votes)
3
1
4

Informação

Nome:embarcação caíque do bom sucesso

Entidade:Fesnima, EEM

Morada:Largo Sebastião Mestre, 8700-349 Olhão

Gps:37.0250353, -7.8439173

Contacto:289 090 287

Email:Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

Site:www.fesnima.pt

visitas:sob Reserva

 

A embarcação "Caíque Bom Sucesso", uma réplica do barco que foi ao Brasil dar em primeira mão a boa nova ao Princípe Regente da revolta dos Olhanenses contra as invasões francesas, está disponível para ser alugada permitindo efetuar passeios turísticos na Ria Formosa.
 
O caíque foi um dos barcos mais utilizados pelos olhanenses na pesca do alto desde que, no século XVIII, Olhão se tornou um dos mais importantes portos do Algarve e do País. Utilizado também para transporte de mercadorias, caraterizava-se por ser resistente, veloz e de fácil manobra. Pequeno, não tinha mais de 20 metros de comprimento por 4 metros de largura e uma lotação de cerca de 30 toneladas. Possuía dois mastros inclinados e aparelhados com outras tantas velas latinas, o mastro dianteiro comprido e o da ré mais curto. A proa era levantada, a popa baixa e rasa. Em tempo de calmaria podia também ser movido com dois ou três pares de remos. Dispunha de uma cobertura corrida, com três escotilhas a meio. Tais qualidades permitiram que os pescadores olhanenses fizessem ao longo do ano várias temporadas em demanda das costas de Marrocos onde, entre outras espécies, capturavam a pescada, a cavala e o peixe-espada.
 
No que diz respeito ao caíque de pesca “Bom Sucesso”, este faz parte integrante de um passado glorioso que muito honra Olhão. Quando, após a primeira invasão napoleónica, a corte portuguesa se refugiou no Brasil, foi em Olhão que eclodiu, em junho de 1808, a insurreição contra os intrusos. E para levar ao príncipe regente D. João a boa nova da expulsão dos franceses, partiu de Olhão, em 6 de julho de 1808, o caíque “Bom Sucesso”. Era um pequeno barco com 17 tripulantes, todos pescadores olhanenses, tendo por mestre Manuel Martins Garrocho e por piloto Manuel de Oliveira Nobre. A viagem demorou mais de dois meses e constituiu um dos maiores feitos da nossa história marítima. Sem mapas nem aparelhos de orientação, os olhanenses atravessaram o Atlântico e arribaram ao Rio de Janeiro a 22 de setembro. Todos os tripulantes regressaram à sua terra, trazendo-lhe o diploma que a agraciava com o honroso título de Vila de Olhão da Restauração. Deste modo, o caíque “Bom Sucesso” converteu-se no mais emblemático símbolo da identidade cultural olhanense.
 
Assim, no sentido de perpetuar a história de Olhão, bem como a memória das gentes marítimas, a Câmara Municipal de Olhão mandou construir a presente réplica do Caíque “Bom Sucesso”, a qual se destina a promover ações culturais e lúdicas através de visitas e de passeios, à vela ou a motor, em águas da Ria Formosa e ao longo da costa oceânica.